Talvez seria mais valorizado no meu país se fosse branco, diz Hamilton

No Brasil para disputar o GP de Interlagos, o piloto britânico também falou que está lutando para melhorar a acessibilidade ao automobilismo
Dan Mullan/Getty Images

O piloto Lewis Hamilton já confirmou o título do Mundial de Pilotos, o seu sexto na Fórmula 1. No Brasil para disputar uma das corridas restantes no campeonato, o britânico discutiu a questão racial na Inglaterra e afirmou que, se fosse branco, talvez fosse mais valorizado em seu país.

“Eu não corro por reconhecimento, não é isso que me impulsiona, não procuro pensar nesse fato. Talvez as coisas fossem diferentes se eu fosse branco, mas, no fim das contas, prefiro me concentrar nas coisas positivas”, disse o único piloto negro da categoria.

Mesmo sendo o piloto mais premiado da categoria, Hamilton ainda é questionado na Inglaterra. Em julho deste ano, durante o GP em Silverstone, ele foi perguntado sobre supostamente não ter um sotaque britânico e pela decisão de morar em Mônaco.

“Eu vou a todas essas corridas e levanto a bandeira britânica com orgulho. Não há mais ninguém neste esporte que a tenha elevado tanto”, respondeu.

Toto Wolf, chefe de equipe da Mercedes, confirma que a ascensão de Lewis no automobilismo não foi tão fácil quanto possa parecer. “Quando Lewis era mais novo, ele era a única criança negra no meio das crianças brancas, e eu sei que ele sofreu ataques raciais”.

Sobre o Brasil, Hamilton afirma que sempre recebe muito carinho quando vem ao país. “Amo todas as vezes que venho ao Brasil. Sinto que os brasileiros estão gostando cada vez mais de mim. Vejo famílias de diferentes etnias e origens vindo até mim e dizendo: ‘Meu filho quer ser um piloto’. Isso é ótimo, mas existe um problema: a cada ano, fica mais caro”,avisou.

A acessibilidade ao automobilismo é uma das lutas atuais de Hamilton, que diz estar trabalhando com a FIA para facilitar o acesso dos mais jovens. “Se eu voltasse no tempo e tivesse que começar tudo hoje, talvez não chegasse à F-1. O esporte está ficando mais caro e caminhando na direção errada. Vindo de uma família de classe média, não me imaginaria na F-1”, concluiu.

Comentários

Postar um comentário

Comente , dê sua opinião!
Beijo das Pretas