Professor da Unesp é xingado de macaco e esfaqueado em Bauru



Vítima foi atacada quando caminhava em avenida da cidade. Ele passou por atendimento médico e passa bem; agressor foi detido

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

 O professor universitário Juarez Xavier, docente do curso de Jornalismo da Universidade Estadual Paulista (Unesp), foi agredido com um canivete após ser vítima de ofensa racista nesta quarta-feira, 20, em Bauru, interior de São Paulo. Segundo a Polícia Militar, ele teve ferimentos superficiais, passou por atendimento médico e já teve alta. O agressor foi detido.

O caso foi relatado pela própria vítima em sua página no Facebook, na tarde desta quarta. "Fui chamado de macaco. Reagi, fui esfaqueado!", escreveu Xavier.

De acordo com o tenente da PM José Eduardo Trevisan, comandante do policiamento da área onde o crime ocorreu, Xavier estava caminhando na Avenida Nações Unidas quando um homem passou e chamou o professor de "macaco".

A vítima, então, teria questionado a ofensa quando foi derrubado no chão e agredido com um canivete. "Ele teve duas perfurações, uma no ombro e outra no tórax", contou o tenente.

Pessoas que passavam pelo local detiveram o agressor, que foi preso pela PM. Xavier foi levado a uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da cidade, onde teve os ferimentos suturados, sendo liberado em seguida.
Juarez Xavier
O professor da Unesp Juarez Xavier, vítima de racismo e agressão em Bauru Foto: ACI/Faac


De acordo com Trevisan, o agressor seguia detido na delegacia da cidade até as 20 horas desta quarta e poderá ser indiciado por injúria racial e lesão corporal.

Em 2015, o professor Juarez Xavier foi vítima de racismo dentro da própria universidade. Pichações encontradas em um banheiro da instituição o chamavam de "macaco" e ofendiam também alunas negras.

Comentários