Carrefour é excluído do quadro de sócios do Instituto Ethos

 


Um dia após o anúncio de exclusão de um índice de responsabilidade social da Bolsa de Valores, o Carrefour Brasil foi removido 4ª feira (9.dez.2020) do quadro de associados do Instituto Ethos, uma das principais organizações para a promoção de responsabilidade social no setor privado.

A medida acontece após processo de análise das respostas da empresa ao caso de João Alberto Silveira Freitas, espancado e morto por 2 seguranças terceirizados de uma unidade do supermercado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

De acordo com o Instituto Ethos, com a suspensão do quadro associativo, o Carrefour Brasil fica impedido de participar das atividades da entidade destinadas às empresas associadas ou patrocinadoras institucionais.

Durante esse período, o Carrefour Brasil fica ainda suspenso de realizar a contribuição associativa e o patrocínio a projetos e eventos e, consequentemente, as contrapartidas e benefícios decorrentes desse vínculo institucional, como aplicação de marca em peças de comunicação, participação de fóruns e instâncias como o Conselho Orientador e grupos de trabalho, entre outros.

Segundo o instituto, o processo envolveu: envio de ofício ao presidente da companhia, estabelecendo prazos para que a empresa apresentasse seu posicionamento sobre como entende sua responsabilidade frente ao fato, e os processos e ferramentas para prevenir e coibir casos dessa natureza; avaliação pela Comissão Interna de Ética e lista de recomendações para o Comitê de Ética; e avaliação pelo Comitê de Ética e submissão de parecer para decisão do Conselho Deliberativo do instituto.

Em ofício enviado ao Carrefour Brasil, o Instituto Ethos fez uma série de recomendações, como:
comprometimento, de forma consistente, com um plano de reparação à família;
ampliação de ações de internalização dos serviços de segurança para outros Estados, considerando o quão estruturais são o racismo e a violência no país;
comprometimento com um modelo de segurança que vise proteger a integridade e o bem-estar das pessoas;
transparência com relação ao investimento que fará nos próximos anos para desenvolver essas ações;
apresentação de uma proposta de um termo de compromissos que possa ser assinado e monitorado pelo Ministério Público.

“Com a consolidação das recomendações e do parecer, o Conselho Deliberativo do Instituto se reuniu para avaliar o caso e decidiu por suspender o Carrefour Brasil, condicionando seu retorno ao quadro associativo do Instituto Ethos ao diálogo a respeito do aprimoramento das medidas que poderá adotar; ao cumprimento e à manutenção dos compromissos publicamente assumidos; e à avaliação do progresso nos resultados apresentados durante esse período”, disse o instituto em nota.

Durante o período de suspensão, a Comissão Interna de Ética do Instituto Ethos, irá monitorar e reportar, mensalmente, os desdobramentos dos compromissos assumidos pelo Carrefour Brasil.

Em 6 meses, a condição da empresa será reavaliada no mesmo processo, envolvendo a Comissão Interna de Ética, o Comitê de Ética e o Conselho Deliberativo.
Fonte : Poder 360 P/ Sabrina Freire

Comentários