Vips se queixam da falta de negros nos camarotes da Avenida

Dudu Nobre e Duda Almeida lamentaram pouca diversidade em alguns espaços da Sapucaí

O cantor Dudu Nobre, uma das principais atrações do camarote Nº1 Foto: O Globo

Uma das principais atrações da primeira noite de desfiles do grupo especial no camarote Nº1, o cantor Dudu Nobre reconheceu a falta de negros no ambiente. Mesmo esta coluna teve dificuldade de encontrar negros entre os foliões que desfrutavam dos bares e ambientes exclusivos.

O que nos vivemos hoje é reflexo do que aconteceu quando Isabel assinou o decreto. Ela não libertou os negros, ela desempregou todos eles. E hoje, mais de cem anos depois, o que se vê ainda é uma dificuldade muito grande do negro ascender socialmente — argumenta o cantor.

Dudu aponta alguns progressos históricos:
— Agora estamos começando a ver médicos negros, juízes negros, fruto de uma organização nossa, mas ainda falta muito para que os negros cheguem aos espaços de lazer e educação — afirma o músico, que diz ainda observar o mesmo fenômeno na faculdade dos filhos, onde,segundo ele, há "pouquíssimos negros".

A digital influencer e modelo Duda Almeida na Sapucaí Foto: Divulgação

A digital influencer e modelo Duda Almeida na Sapucaí Foto: Divulgação

Musa do camarote Vivant, a digital influencer e modelo Duda Almeida também se ressentiu com a falta de negros nos espaços VIPs.

— Sou moradora nascida e criada na Cidade de Deus. O preconceito infelizmente sempre vai existir. Eu sofro dois tipos de preconceito: o racial e o social. Além de ser preta ainda sou moradora se uma favela — lamenta Duda.

Comentários