19 mulheres negras inspiradoras que marcaram história no Brasil e no mundo


Na música, no cinema, no esporte, na aviação ou na ciência. Seja qual área for, existe um nome de uma mulher negra que você precisa conhecer!
Infelizmente, ser mulher ainda é muito difícil. Ser mulher e negra, então, é ainda mais complicado. Por isso, todo dia é dia de relembrar e enaltecer a luta e as conquistas das mulheres negras. Pensando nisso, a CAPRICHO selecionou uma lista de nomes importantes e inspiradores que fizeram história, tanto no Brasil quanto no mundo. Será que você conhece todas elas?
1. Aretha Franklin

Nascida em Memphis e criada em Detroit, a norte-americana Aretha Franklin se tornou uma das vozes mais conhecidas do mundo da música. Considerada a rainha do Soul, a cantora teve que enfrentar ainda mais barreiras na indústria musical sendo mulher e negra.

Aretha também era uma amiga próxima de Martin Luther King Jr., que foi um importante símbolo para o movimento de igualdade racial. Além disso, ela cantou na posse de Barack Obama, primeiro negro a ser eleito presidente nos Estados Unidos.

Aretha Franklin / Foto: Charles Sykes - Invision - Reprodução
2. Bessie Coleman

Elizabeth, ou apenas “Bessie”, foi a primeira mulher negra a conseguir uma licença para atuar como piloto internacional nos Estados Unidos. Na época, as escolas de aviação dos Estados Unidos não aceitavam mulheres e nem negros, mas Bessie não desistiu de seu sonho. Com a ajuda financeira de um banqueiro, ela começou a estudar francês e viajou até Paris para obter sua licença.

Anos depois e de volta aos Estados Unidos, Bessie ficou famosa por seus shows aéreos e chegou a ser nomeada uma das maiores aviadoras do mundo.
Bessie Coleman / Foto: Reprodução


3. Ellen Johnson Sirleaf

Ellen foi a primeira mulher eleita chefe de estado de um país africano, além de ser a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente na Libéria. Em 2011, ela também recebeu um Prêmio Nobel da Paz por seu trabalho como Primeira Ministra da Libéria.

Foto: Reprodução


4. Glória Maria

Jornalista brasileira, Glória Maria foi a primeira repórter negra na televisão do Brasil, com estreia em novembro de 1971. Na época, ela também foi a primeira mulher a usar a Lei Afonso Arinos contra discriminação racial no Brasil, quando o gerente de um hotel de luxo não permitiu que ela entrasse pela porta da frente do prédio.

Hoje, mesmo depois de ter construído um currículo grande e passado por cerca de 156 países, Glória Maria admite que ainda sofre preconceito.

Foto: Reprodução - Instagram


5. Hattie McDaniel

Em 1930, Hattie McDaniel, atriz conhecida por seu papel no clássico E o Vento Levou, foi a primeira mulher negra a estar presente em uma cerimônia do Oscar como convidada. Além de ter sido convidada para a festa, a atriz também foi a primeira mulher negra a receber o prêmio de melhor atriz coadjuvante.

Tudo isso aconteceu durante um período de extremo racismo separatista nos Estados Unidos. Atualmente, o nome de Hattie está marcado na calçada da fama, em Los Angeles.

Foto: Reprodução


6. Henrietta Lacks

Henrietta foi a mulher negra que mudou a história da medicina ao ser doadora involuntária de uma cultura de células cancerosas utilizadas em pesquisas médicas para criar a primeira linhagem celular imortal. Após iniciar um tratamento de câncer cervical que se espalhava rapidamente, ela teve as células coletadas pelo médico George Otto Gey, que descobriu que as células de Henrietta (chamadas de HeLa) era capazes de se multiplicar mesmo fora do corpo humano. Ao todo, o material genético dela serviu para cerca de 75 mil estudos médicos.

A história de Henrietta virou um livro e um telefilme da HBO, chamado A Vida Imortal de Henrietta Lacks, produzido e estrelado por Oprah Winfrey.
Foto: Arquivo Pessoal - Henrietta Lacks Foundation - Divulgação - HBO - Reprodução


7. Jackie Joyner-Kersee
Jackie se tornou a primeira mulher a marcar mais de 7 mil pontos no heptatlo. Ela já foi considerada uma das melhores atletas de todos os tempos nas modalidades heptatlo e salto em distância, nas quais é recordista mundial. Segundo a revista Sports Illustrated, Jackie é a maior atleta feminina do século XX.

Foto: Reprodução


8. Janelle Commissiong

Janelle foi a primeira mulher negra a conquistar o título de Miss Universo após 25 anos de existência do concurso, em 1977. Sua vitória fez a platéia aplaudir a cerimônia de pé e até fez algumas pessoas chorarem de emoção. Durante seu reinado, Janelle se dedicou a defender os direitos dos negros e a paz mundial.

Foto: Reprodução - Miss Universo


9. Mae Jemison


Em 1992, Mae Jemison embarcou na missão STS-47 do ônibus espacial Endeavour e se tornou a primeira astronauta negra da história. No programa de formação de astronautas da NASA, ela foi uma das 15 selecionadas entre mais de 2 mil pessoas. Após sua conquista, Mae inspirou outras mulheres negras a também seguirem o mesmo caminho na NASA, como as astronautas Stephanie Wilson, Yvonne Cagle, Joan Higginbotham e Jeanette Epps.

Foto: NASA - Divulgação


10. Mamie Phipps Clark

Mamie foi a primeira mulher negra a obter um diploma na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. Após seus estudos, ela fez contribuições importantes para a história da Psicologia com seu marido, como o desenvolvimento do chamado Clark Doll Test, que investigava preconceitos raciais na educação, em 1946.

O teste consistia em mostrar bonecas brancas e negras para crianças e pedir que elas atribuíssem características: bonita, feia, boa ou má. De acordo com os estudos do casal, mais da metade das crianças alegavam que a boneca branca era a bonita e boa, enquanto a negra era a feia e má. A pesquisa confirmou a realidade segregadora que a população negra vivia naquela época.

Foto: Reprodução


11. Oprah Winfrey

Considerada uma das mulheres mais influentes mundialmente, Oprah é a primeira mulher negra a se tornar bilionária. Também foi a primeira negra a receber o prêmio Cecil B. DeMille, entregue no Globo de Ouro, que celebra artistas com impacto mundial no entretenimento.

Atualmente, Oprah tem pelo menos 7 fontes de renda: é empresária, atriz e dubladora, produtora, investidora, autora, jornalista freelancer e possui uma linha de licenciamento. Ainda assim, ela segue enfrentando preconceito. Em 2013, Oprah fazia compras na Suíça quando a vendedora de uma loja disse que a bolsa que Oprah estava olhando era “muito cara para ela” e que ela deveria olhar produtos mais baratos. Só então o gerente da loja reconheceu que era Oprah Winfrey e pediu desculpas pelo “mal-entendido”.

Foto: Instagram - @oprah - Reprodução


12. Rosa Parks

Rosa Parks se tornou um símbolo da luta por igualdade racial em 1955, quando os Estados Unidos vivia um forte período de segregação racial. Isso aconteceu quando Rosa estava voltando para casa sentada no fundo de um ônibus, onde os negros deveriam ficar. Em uma parada, várias pessoas brancas entraram no ônibus e não havia mais lugares disponíveis para elas, por isso uma pediu que Rosa se levantasse de seu lugar.

Ela se recusou a sair de onde estava e foi presa, ameaçada e humilhada pela sociedade, mas virou uma grande inspiração para o movimento negro por seu ato de coragem.

Foto: Reprodução


13. Ruby Bridges

Apesar de não ter um nome muito conhecido, Ruby Bridges foi a primeira criança negra a estudar numa escola primária caucasiana durante a década de 60 nos Estados Unidos, período em que os negros eram separados dos brancos.

Foto: National Park Service - Harding University - Reprodução


14. Dona Ruth de Souza

Ruth de Souza foi a primeira dama negra do teatro, do cinema e da televisão brasileira. Também foi a primeira atriz negra a subir no palco do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, com a peça O Imperador Jones.

Além disso, Ruth foi a primeira atriz brasileira a ser indicada ao prêmio de Melhor Atriz em um festival internacional de cinema, o Sinhá Moça, em Veneza, em 1954.

Foto: Museu Afro Brasil - Reprodução


15. Simone Biles

Com apenas 21 anos, a norte-americana Simone Biles já ganhou 4 medalhas de ouro em ginástica artística e é uma das maiores atletas da modalidade na atualidade. Ela é a primeira atleta na história a conquistar quatro ouros na prova.

Em uma das competições, Simone chegou a competir mesmo com pedra nos rins. Caiu duas vezes e com muita dor, chegou ao topo do pódio.

Foto: Instagram - @simonebiles - Reprodução


16. Toni Morrison

A escritora Toni Morrison foi a primeira mulher negra a receber um prêmio Nobel de Literatura, com a obra Amada, livro sobre o cotidiano de sofrimento das pessoas negras, especialmente mulheres. A escritora construiu uma carreira incrível dentro da luta pela igualdade racial e de gênero – por isso, todas as suas obras abordam mulheres negras.

Foto: Nobel Prize - Companhia das Letras - Reprodução


17. Viola Davis
Atualmente, Viola Davis é a única atriz negra que foi indicada três vezes ao Oscar. Ela também é a primeira mulher negra a ganhar um Emmy de melhor atriz. Na verdade, Viola Davis foi a primeira negra que conquistou uma tríplice de prêmios muito valiosa na indústria do cinema e da televisão: Oscar, Emmy e Tony.

O que mais impressiona na atuação de Viola é que em sua primeira indicação ao Oscar, ela só havia aparecido no filme durante 8 minutos. Não é à toa que seu nome também foi parar na calçada da fama, em Los Angeles.

Foto: Instagram - @violadavis - Reprodução


18. Wangari Maathai
Wangari foi a primeira mulher africana a receber o Nobel da Paz, em 2004. De origem queniana, ela aliou políticas de preservação ambiental ao progresso feminino de seu país. Também foi a primeira mulher da África Oriental a ter um doutorado.

Foi ela quem fundou o Movimento Cinturão Verde, um sistema de plantação de sementes exclusivamente para mulheres. Estimativas dizem que em 2011, quando Wangari morreu, já havia quase 50 milhões de árvores plantadas através de sua iniciativa.
Foto: Reprodução


19. Zezé Motta

Zezé Motta foi uma das primeiras atrizes negras do Brasil a ganhar destaque no mundo. Na dramaturgia e fora dela, a atriz sempre lutou pela igualdade de gênero e racial, além de mais tolerância religiosa. Sem dúvida, é um grande nome na história do nosso país.

Foto: Divulgação - Daryan Dornelles - Reprodução

Comentários