Ator angolano diz se inspirar no irmão playboy para dar vida a Dominick, de 'Segundo sol’

Licínio Januário não precisou quebrar a cabeça para trazer à tona o Dominick de “Segundo sol”. Angolano e de família com boa situação financeira, o rapaz de 26 anos, que está há 10 no Brasil, conta que se inspirou um pouco em seus parentes para criar o personagem.


Penso no meu pai, que é empresário em Angola, e no meu irmão mais novo, que trabalha com ele e é uma espécie de playboy (risos) — brinca o ator, que não considera Dominick vilão, mas um mimado: — Ele é milionário, tem tudo o que quer. Agora, deseja provar seu poder. Veio para desafiar Roberval (Fabricio Boliveira).



Na visão de Licínio, o angolano da trama só quer enfrentar o baiano por pura inveja.

— Ele tem ciúme. Acho que Roberval conquistou um lugar no coração do pai dele que Dominick não conseguiu. Ele não precisa fazer contrabando, então, veio fazer birra com Roberval — analisa o ator, cujo personagem foi preso graças à denúncia de Laureta (Adriana Esteves). Mesmo assim, ele vai se aliar a ela, traindo Roberval, para sair da cadeia.

Estreante em novelas, o ator chegou ao Rio para fazer Engenharia, mas trancou o curso no último ano (2012) por ver no teatro a sua vocação. Integrante do Coletivo Preto, é gestor do Teatro Gonzaguinha e faz parte da curadoria do Segunda Black (movimento que une os coletivos de teatro negro do Rio). Ele ri ao lembrar do dia em que o pai soube da desistência do curso.

— Ele quis me matar! Os pais que têm condições melhores mandam os filhos para fora para ter contato com outras culturas e voltar ao país para contribuir de alguma forma com seu desenvolvimento. Mas não era meu destino — afirma ele, que vibrou por contracenar com Adriana Esteves: — Minha primeira cena foi com ela. A ansiedade rolou no nível máximo. Conversamos antes sobre a vida e, estrategicamente, ela me trouxe para junto. Foi o diferencial.

Comentários