Tranças coloridas, discriminação e sucesso na internet: todo o poder de Magá Moura



A baiana Magá Moura tem 29 anos, é formada em relações públicas, já trabalhou em grandes empresas, mas ficou internacionalmente conhecida por causa do seu estilo e, principalmente, por aderir às tranças quando elas ainda eram vistas com preconceito.

Queda de cabelo após química
Tudo aconteceu por acaso após um susto comum para que têm química no cabelo há anos. “Eu fazia permanente afro, que é o blackpower quimicamente tratado, até que um dia o cabeleireiro usou alguma química errada e o meu cabelo caiu inteiro. Fui em outro [cabeleireiro] e ele me disse que só dava para raspar ou fazer tranças”, relembra.

Ela optou por fazer as tranças, deixou de lado a química que fazia "desde que nasceu" e adorou o resultado. “Eu me encontrei. Aquelas tranças me trouxeram a minha nova identidade de vida. Comecei a me achar muito mais linda, muito mais poderosa e assim eu não precisava usar química ou fazer processos que danificassem os meus cabelos para me sentir bonita”, comenta.

Sucesso na web com as tranças
Feliz com o novo cabelo, Magá começou a fazer penteados com as tranças e a postar fotos deles em sua conta no Instagram. Com isso, foi conquistando cada vez mais seguidores.

“As pessoas começaram a falar das minhas tranças, sobre como era bonita a forma que eu as usava, etc. Até então, as tranças eram tidas como uma lembrança de Porto Seguro”, comenta ao citar que muita gente acreditava que trança era um "penteado de férias", que não podia ser usado no dia a dia.

Preconceito por causa do estilo
Apesar dos vários elogios, Magá relembra que também foi vítima de preconceito justamente por causa do penteado diferente. “Primeiro fiz as tranças com cores 'padrão' e depois fui fazer as tranças rosas e isso foi um choque para as pessoas. Nesta época, eu ainda trabalhava no mercado corporativo e sofri bastante no trabalho com as reações”, lamenta.

Quando chegou para trabalhar com as tranças rosas, a relações públicas foi repreendida pela chefe. “Ela chegou e disse: ‘O que que é isto, garota? Você está louca? Você acha que trabalha onde?’”, comenta sobre o preconceito explícito sofrido.

Insatisfeita com o trabalho, Magá fez um acordo para ser mandada embora e foi para Londres, na Inglaterra, cidade em que já havia estudado e adorado. “Em Londres, eu me sentia mais livre, ninguém me olhava com estranheza, as pessoas me achavam incrível, perguntavam se eu tinha um blog, qual era meu Instagram”, fala sobre o sucesso fora do País.
Inspiração para meninas negras

Da segunda vez que foi para o exterior, ela finalmente aceitou fazer um blog e foi aí que se tornou referência para as meninas negras.



“Em 2014, eu fiz o blog e tudo começou a acontecer. Era uma época em que as pessoas começaram uma busca por autenticidade, surgiu a palavra empoderamento, muitas seguidoras começaram a me escrever falando que tinham feito trança por minha causa, me agradeciam, diziam que antes não usavam batom e hoje usam porque se inspiram em mim”
, fala de seu sucesso nas redes sociais.

Passados quase 3 anos da criação de seu blog, Magá hoje dá palestras, participas de bate-papos, trabalha com grandes marcas, é embaixadora da Nike, vive de sua imagem e não para de mudar o cabelo.



“Hoje eu faço o que eu quiser, eu trabalho com a minha imagem, eu me garanto, não preciso ter medos ao ir trabalhar, porque as pessoas estão me contratando pelo o que eu sou”, comemora.
Opinião da Preta : Liso, Black, Tranças, coloridos ou não....não esqueça " Inteligente é se você" !






Comentários